Balanço olímpico

Na minha previsão otimista, acreditava que o Brasil poderia trazer 23 medalhas de Pequim. No final, foram 15, sendo 3 de ouro, 4 de prata e 8 de bronze.

Quebrei a cara ao apostar em pódio certo de Diego Hypólito, Jadel Gregório, João Derly, Bimba e Rodrigo Pessoa. Outras sete “possibilidades” não se concretizaram: Thiago Pereira, Ana Paula/Larissa, Fabiana Murer, Jade Barbosa, Equipe de hipismo (saltos), Poliana Okimoto e Marcio Wenceslau.

No meu balanço pessoal, errei mais do que acertei. Se tive 12 furos, porém, acertei 11 medalhas. Dos pódios que considerava garantido, oito se confirmaram: vôlei masculino e feminino, Ricardo/Emanuel, futebol feminino, Tiago Camilo, Natália Falavigna, Robert Scheidt/Bruno Prada e Maurren Maggi. Ainda me dei bem com três “apostas”: César Cielo nos 50m livre, Leandro Guilheiro e futebol masculino.

Vale lembrar que não contava com quatro medalhas conquistadas pelos brasileiros em Pequim: Márcio/Fábio Luiz, Cielo nos 100m livre, Ketleyn Quadros e a dupla da vela Fabiana Oliveira e Isabel Swan.

Abaixo, faço outro balanço, esporte por esporte, utilizando os conceitos péssimo, regular, bom ou ótimo (quem ouve futebol pela Transamérica sabe do que estou falando):

Atletismo – 45 atletas, apenas uma medalha. Como foi de ouro, o que não ocorria desde Los Angeles-1984, e a primeira feminina, até que não foi tão ruim. Bom.

Basquete – A seleção masculina não foi. A feminina, por sua vez, nem passou da primeira fase. Pior impossível. Péssimo.

Boxe – O jejum de medalhas continua, mas colocar dois boxeadores nas quartas-de-final é um desempenho esperado, pelo nível do esporte no Brasil. Bom.

Canoagem – Nivalter Santos e Poliana de Paula chegaram às semifinais. Deu pro gasto. Regular.

Ciclismo – Nenhum ciclista brasileiro ficou entre os 15 primeiros colocados em sua respectiva prova. No entanto, não se esperava nada deles mesmo. Regular.

Esgrima – Dois esgrimistas brasileiros estiveram em Pequim. Só isso já vale um Regular.

Futebol – Prata no feminino, bronze no masculino. Esperava mais das mulheres do que dos homens, mas valeu. Bom.

Ginástica artística – Nunca os brasileiros estiveram em tantas finais no esporte como em Pequim. Mas, como Diego Hypólito não trouxe a medalha esperada, dou Regular.

Ginástica rítmica – Ficaram em último na competição por equipes. No dia da final, em vez de as meninas irem assistir às suas concorrentes para aprenderem um pouco do esporte, preferiram ir à decisão do vôlei masculino. Péssimo.

Handebol – As duas seleções não passaram da primeira fase, mas conseguiram algumas vitórias, pelo menos. Regular.

Hipismo – O CCE e o Adestramento foram meros figurantes na competição. Nos saltos, a equipe não foi à final e a medalha de Rodrigo Pessoa não veio. Péssimo.

Judô – A equipe conquistou três medalhas de bronze, desempenho melhor que Atenas-2004. Como tínhamos três judocas campeões mundiais, esperava-se mais. Bom.

Levantamento de peso – O brasileiro que competiu ficou bem longe das medalhas. Como não temos tradição no esporte, fico com Regular.

Lutas – Rosângela Conceição venceu uma luta. E foi só. Regular.

Nado sincronizado – O dueto brasileiro não alcançou a final por uma posição. Regular.

Natação – Dos 27 nadadores brasileiros, só um trouxe medalhas (César Cielo). Como ele subiu em dois pódios, com um ouro inédito, valeu. Bom.

Pentatlo moderno – Yane Marques terminou em 18º lugar, mas foi prejudicada na prova de hipismo. Bom.

Remo – Os brasileiros ficaram longe das finais. Só decepção. Péssimo.

Saltos ornamentais – As mesmas caras de sempre (Juliana Veloso, Cassius Duran, etc.), só que os resultados foram piores do que antes. Péssimo.

Taekwondo – Medalha de bronze inédita com Natália Falavigna. Como ela tinha condições de ir melhor, assim como seus compatriotas, dou Bom.

Tênis – No individual, derrotas na estréia. Nas duplas, na segunda rodada. Regular.

Tênis de mesa – Nem a China inspira nossos mesa-tenistas. Hugo Hoyama teve saudades do Pan. Péssimo.

Tiro com arco – Derrota na estréia. Como o brasileiro enfrentou um sul-coreano, vou ser compreensivo e dar Regular.

Tiro esportivo – Para os brasileiros, o tiro saiu pela culatra. Péssimo.

Triatlo – O melhor brasileiro, Juraci Moreira, ficou na 26ª posição. Ao final da prova, ele disse que tinha ido a Pequim para se divertir. Péssimo.

Vela – Sem Torben Grael, e com Robert Scheidt em uma nova classe, até que duas medalhas é um Bom desempenho.

Vôlei – Um ouro no feminino e uma prata no masculino. Se fosse o contrário, daria ótimo, mas como o time de Bernardinho era o favorito, dou Bom.

Vôlei de praia – Os homens fizeram sua parte, mas as mulheres não mantiveram a tradição de subir ao pódio. Bom.

Anúncios

3 Responses to Balanço olímpico

  1. mnazian disse:

    Caro compatriota tão moralmente abalado.

    Gostaria de fazer um comunicado importante: redigi uma proposta (brilhante, por sinal) ao Comitê Olímpico Brasileiro… caso eles gostem, pode ser apresentada mais seriamente ao COI… Antes de enviar minha reinvindicação, gostaria da sua opinião…

    coloquei a proposta no seguinte endereço: http://queridobunker.wordpress.com/2008/08/21/proposta-esportiva/

    Sabemos que com os brasileiros apoiando esta idéia, podemos fazer muito mais pelo esporte.

    Desde já agradeço a atenção.

  2. jose antonio disse:

    varela pq vc nao fala dou intermunisipal q ta rolado ja a semi fin domigo
    veija ou resutado segunda feira ta um abraso deum fa seu ta
    jose antonio de coite valeu um abraso bem grande i feliz natal
    para vc todos da tv recod

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: