Semana 35 – Marcos 4:3

agosto 30, 2018

“Ouçam! O semeador saiu a semear.” – Mc 4:3 (NVI)

“Minha palavra vale um tiro, eu tenho muita munição” – Mano Brown, “Capítulo 4, versículo 3”

Uma das principais responsabilidades do cristão é anunciar a mensagem da salvação. Quem conheceu a Jesus e teve a sua vida transformada por Ele não consegue ficar calado a respeito da mensagem do Evangelho, acaba contando as maravilhas de Deus para as pessoas que estão ao seu redor.

A parábola do semeador, relatada no quarto capítulo de Marcos, fala um pouco sobre esse processo. Após narrar a história, Jesus parte para a explicação da parábola e não dá destaque à figura do semeador, mas enfatiza que a semente é a Palavra de Deus e os tipos de solos significam as diferentes pessoas que recebem a mensagem.

Pelo que Jesus diz, não há uma fórmula específica de semear a Palavra. A preocupação de quem anuncia o Evangelho é espalhar a semente, o crescimento não tem tanta relação ao seu trabalho, mas sim ao tipo de solo. O que não pode ser feito é deixar essa semente guardada para apodrecer.

Se para Jesus a palavra é uma semente, para Mano Brown ela é um tiro. Em vez de apelar para a violência, o rapper usa as letras de suas músicas para lutar contra o sistema que o oprime. E, como ele tem muita munição, dispara sua metralhadora também sem saber quem (e de que forma) irá atingir. Sua missão é atirar, torcendo para fazer o máximo de estrago possível, metaforicamente falando.

Não importa a analogia que você queira fazer, o recado para quem quer praticar o evangelismo é anunciar a mensagem, independentemente do resultado que será alcançado. Como não dá para controlar tudo, precisamos fazer a nossa parte e deixar Deus agir, entregando a Ele todas as ações. Saia a semear e dispare seus tiros para mudar os “solos” e “alvos” que ainda não conhecem ao Senhor!


Semana 34 – Mateus e Lucas 4:3

agosto 23, 2018

“Então, o tentador, aproximando-se, lhe disse: Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães” – Mt 4:3 (ARA)

“Disse-lhe, então, o diabo: Se és o Filho de Deus, manda que esta pedra se transforme em pão” – Lc 4:3 (ARA)

“Te oferece dinheiro, conversa com calma
Contamina seu caráter, rouba sua alma” – Mano Brown, “Capítulo 4, versículo 3”

Os quartos capítulos dos evangelhos de Mateus e Lucas relatam a tentação de Jesus no deserto. Depois de ficar quarenta dias em jejum, o Filho de Deus teve fome e foi desafiado pelo Diabo a usar o seu poder para realizar um milagre e acabar com o sofrimento que o afligia.

É assim que o tentador trabalha: pega exatamente a fraqueza que você tem no momento para fazê-lo cair. Se Jesus concordasse com o raciocínio diabólico, iria responder: “eu sou poderoso mesmo, muito mais que você. Estão aqui os pães que você queria!”. Mas Cristo sabia que deveria se submeter à vontade de Deus Pai e usou as Escrituras para dizer que “não só de pão viverá o homem”. No final da história, foi servido por anjos e teve sua fome saciada.

No mundo atual, as tentações são diversas para quem quer ter dinheiro a qualquer custo. Na música “Capítulo 4, versículo 3”, Mano Brown relata que as ofertas demoníacas vêm “pelo rádio, jornal, revista e outdoor”. Os anúncios de produtos nos meios de comunicação reforçam a ideia de que somente com dinheiro você pode ter as coisas que deseja, levando as pessoas a contaminarem seu caráter. Com a alma de seu “súdito” na mão, o Diabo “transforma um preto tipo A num neguinho”, conforme as palavras do rapper.

No que você tem sido tentado? Com qual fraqueza tem de lutar para não cair? Ter consciência sobre isso vai deixá-lo alerta para não escorregar nas armadilhas que aparecerão pela frente. Outra arma nessa batalha é manter uma leitura regular da Bíblia, pois daí será possível seguir o exemplo de Jesus e usar a Palavra de Deus para derrubar pensamentos contrários ao que o Senhor quer. Fiquem firmes!

Ps. Quando iniciei o projeto, tinha contado erroneamente que a Bíblia tinha 52 livros com passagens 4:3. Na verdade, são 53. No entanto, manterei a ideia de publicar 52 textos (um por semana) em 2018 e aproveitei que as passagens de Mateus e Lucas são quase idênticas para juntar esses dois versículos e escrever um único texto.


Semana 33 – Malaquias 4:3

agosto 16, 2018

“Pisarei os perversos, porque se farão cinzas debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que prepararei, diz o SENHOR dos Exércitos” – Ml 4:3 (ARA)

“Agora não oferece mais perigo” – Mano Brown, “Capítulo 4, versículo 3”

No texto escrito há duas semanas, em que abordava o fato de a justiça de Deus buscar a paz, enfatizei a questão da graça divina que nos livra do castigo. Apesar dos esforços do Senhor de vir em nossa direção para que nos entreguemos a Ele, muitos não aceitam essa oferta e, nesse caso, precisarão enfrentar a consequência.

O quarto capítulo de Malaquias é o último do Antigo Testamento e a mensagem profética fala de um dia, preparado pelo Senhor, em que os perversos serão pisados. Os pecados daqueles que se recusaram a aceitar a salvação de Cristo serão pagos da pior forma possível e Deus agirá como “vingador”. Como diz Jesus em João 3:18, “aquele que crê no Filho não é julgado; mas quem não crê já está julgado”.

As pessoas que neste mundo gostam de “pisar nos outros” receberão o que merecem porque não quiseram se submeter ao Senhor. Se hoje são poderosas e temidas, na vida eterna não vão oferecer mais perigo. Essa situação lembra um dos trechos da música “Capítulo 4, versículo 3”, em que Mano Brown narra a história de um rapaz que se rende aos excessos da carne e, depois, se torna inofensivo, em função das consequências da dependência química.

Ainda dentro do contexto da passagem de Malaquias, há uma referência ao “sol da justiça”, um símbolo que remete a Jesus Cristo. Esse sol traz o calor da salvação para quem Nele crê, mas queima e seca aqueles que entendem que não precisam de Deus. Ao olhar para esse raio de luz que o Senhor te oferece, qual será a sua escolha?


Semana 32 – Zacarias 4:3

agosto 9, 2018

“Perto do candelabro, estou vendo duas oliveiras, uma de cada lado” – Zc 4:3 (NTLH)

“Ontem à noite eu vi na beira do asfalto
Tragando a morte, soprando a vida pro alto” – Ice Blue, “Capítulo 4, versículo 3”

O livro de Zacarias apresenta, em seus primeiros seis capítulos, oito visões que o profeta teve da parte de Deus. No versículo citado acima, que se refere à quinta visão, estão presentes um candelabro e duas oliveiras que, por si só, não significam muita coisa. Apenas a partir da explicação do Senhor é que foi possível entender aquilo que estava sendo visto (as duas oliveiras representavam o rei Zorobabel e o sumo sacerdote Josué, por meio de quem Deus sustentava o “candelabro” Israel na ocasião).

Trazendo a história de Zacarias para a nossa realidade, aprendo que não preciso ficar esperando grandes visões de Deus para ir em direção à vontade Dele. São poucos os profetas que recebem uma palavra específica vinda diretamente do Senhor, mas nada impede que eu esteja atento ao que vejo ao meu redor para absorver um ensinamento divino.

Na música “Capítulo 4, versículo 3”, Ice Blue também tem uma “visão”. Ele relata que viu um homem “tragando a morte, soprando a vida pro alto”, uma forma poética de dizer que a pessoa estava usando crack. Ao olhar para alguém que está se rendendo à dependência da droga, não posso pensar sobre o que Deus quer me mostrar? Há diversas coisas que consigo refletir a respeito dessa situação: a fragilidade da vida, a compaixão que posso ter com as pessoas com dependência química, o uso responsável da liberdade que o Senhor me dá, etc.

Se você quer ouvir a Deus, além de estar com ouvidos abertos, sugiro que regule suas lentes. Quando estamos em um relacionamento íntimo com o Senhor, a observação de coisas cotidianas, que muitos consideram “mundanas”, podem trazer um aprendizado maravilhoso para sua vida cristã. Experimente!


Semana 31 – Miqueias 4:3

agosto 2, 2018

“Ele será juiz entre muitos povos e decidirá questões entre grandes nações distantes. Os povos transformarão as suas espadas em arados e as suas lanças em foices. Nunca mais as nações farão guerra, nem se prepararão novamente para batalhas.” – Mq 4:3 (NTLH)

“Juiz ou réu” – Mano Brown, “Capítulo 4, versículo 3”

Qual seria a sua atitude se você se tornasse o juiz do mundo inteiro? Qual o seu conceito de justiça? Caso tivéssemos esse poder, possivelmente agiríamos mais com o objetivo de reparar danos, com uma espécie de “sede de vingança”, do que em promover aquilo que é correto, buscando a solução de conflitos.

O versículo acima nos dá uma noção do que é a justiça de Deus. Em um tempo vindouro no qual o Senhor será o juiz entre os povos, suas decisões serão para propiciar a paz. A profecia citada em Miqueias, que também está escrita no livro do seu contemporâneo Isaías, indica que, no Reino de Deus, as pessoas deixarão de buscar a guerra para se dedicar ao trabalho, sem a preocupação de se preparar para batalhas.

Para vivermos esse mundo em que a paz será total, precisamos nos inclinar à vontade de Deus. Se Mano Brown questiona na música “Capítulo 4, versículo 3” se ele é juiz ou réu, o cristão não pode ter dúvidas: não cabe a nós o papel de julgarmos ninguém, mas sim entendermos que somos os culpados da história. Temos em nós o pecado que só pode ser combatido pelo sangue de Cristo, derramado na cruz do Calvário.

Enquanto não reconhecermos essa necessidade de resolver o problema do pecado em nossas vidas, viveremos em guerra. Vamos estar mais preocupados em julgar a atitude dos outros e entrar em conflitos com quem consideramos inimigos do que em buscar a paz que Cristo nos proporciona. Antes de olhar para o lado, olhe para dentro e pense na sentença que você merecia. Ao lembrarmos que o Deus justo também usa de sua graça para nos salvar, enxergaremos o mundo de uma outra forma.