Como passar em concurso público lendo blogs

junho 10, 2009

Depois de 11 meses de espera, finalmente recebi o telegrama de convocação para trabalhar na maior empresa da América Latina. Estou na fase de exames médicos, psicotécnico, etc., e só um desastre pode me eliminar dessa etapa. Se tudo der certo, ainda este mês assino contrato e ficarei alguns dias em “ambientação” no Rio de Janeiro.

Para colher esse fruto, porém, tive de fazer uma prova com 70 questões e somar 87% dos pontos possíveis da parte de conhecimentos específicos (a parte de conhecimentos gerais era só eliminatória, mas mantive média parecida). Muitas pessoas me perguntaram: “mas então, você estudou muito para passar”?

A minha resposta era a seguinte: “bem, não estudei muito. A maior parte das perguntas respondi com base na minha experiência profissional e no que lembro da época de faculdade, algumas vezes usei o bom senso. O que me ajudou foram as questões sobre novas mídias, Jornalismo na Web, conteúdos colaborativos, etc., assuntos que venho acompanhado em blogs…”

Quando falei isso, as pessoas disseram: “o quê, você passou em um concurso lendo blogs?”. Eu ficava sem graça de confirmar, mas não deixava de ser verdade. Um colega que fez a prova disse que foi mal nessas questões que envolviam a Internet e chegou à conclusão: “preciso aprender mais sobre o assunto, acho que vou procurar livros nessa área”. Daí emendei: “olha, acho que não há muitos livros atualizados. O jeito é ler textos na Internet mesmo”.

Ao reler a prova, vejo que a quantidade de questões que envolviam temas ligados à Internet foi alta, pelo menos em relação a outros concursos que prestei. De 45 questões de conhecimentos específicos, nove tratavam do assunto (questões 31 a 36 e 38 a 40), ou seja, 20%. Tudo bem que essas perguntas eram as que valiam menos pontos, só que me ajudaram muito a conseguir o resultado que alcancei (bem melhor responder sobre a Web do que a respeito de gramatura de papel e tipos de impressão, como cai nas provas da Vunesp).

Na época que fiz a prova, até pensei que a empresa tinha por objetivo contratar profissionais que estivessem atualizados sobre o assunto. Um ano depois, qual não foi a minha surpresa ao saber que a companhia criou um blog, que tem adotado medidas polêmicas, mas inovadoras em relação à divulgação de informações e relacionamento com a mídia. (Aqui vai um post muito bom sobre toda a celeuma, do blog Bereteando, que foi indicado pelo Inagaki via Twitter).

Para divulgar o blog, a empresa também criou um perfil no Twitter e mostrou que sabe usar a ferramenta. Eu, que vinha citando a companhia na maioria das mensagens que publicava no microblog, passei a ser seguido por ela logo de cara. Sinal de que eles estão monitorando o que o público tem dito da empresa nas redes sociais.

Se você é jornalista e tem interesse em passar em um concurso público, deixo a dica: leia blogs. Eu recomendo dois, que funcionam para mim como espécie de gatekeepers de assuntos ligados à Internet: o Marmota Mais dos Mesmos, do André, e o Pensar Enlouquece, Pense Nisso, do Inagaki. Além dos posts que escrevem sobre esses temas, eles recomendam vários links que vão te ajudar a saber mais sobre as novidades da área de comunicação na Web.


12 meses de um concurseiro

maio 15, 2009

Em junho do ano passado, passei em um concurso público e pensei que logo estaria trabalhando em um novo local. Ledo engano. Confira como foram meus últimos 12 meses: 

Junho/08: Acertei 88% das questões? Será que é suficiente para passar? Olha este fórum, só um cara teve uma nota melhor que a minha. Vai sair o resultado… Passei!!!!!!!! Não acredito!!!! Deus é maravilhoso!!!! Eu sabia, seus cornetas!!!!

Julho/08: Já começaram a chamar alguns cargos! Ótimo, mês que vem tiro férias e, se bobear, nem volto mais a trabalhar no meu atual emprego.

Agosto/08: As Olimpíadas foram boas, o Usain Bolt é rápido mesmo. O telegrama é que está demorando um pouco para chegar. Bem, o jeito é voltar a trabalhar no mesmo lugar de antes. Será por pouco tempo, eu sei.

Setembro/08: As convocações continuam e nada de chamarem o pessoal de Comunicação. Essas profissões descartáveis…. Preciso manter a calma, pois a validade do concurso é de apenas seis meses. Daqui a pouco estou lá.

Outubro/08: Crise mundial por causa de uns caloteiros nos EUA? Até parece que isso vai afetar a minha convocação. Vai ser só uma marolinha, pode apostar.

Novembro/08: Prorrogaram o prazo, como previsto. Agora, o sufoco pode durar até junho do próximo ano. Não deve chegar a tanto, mas é melhor eu me acostumar a passar mais uns três meses em Atibaia.

Dezembro/08: Última atualização das convocações, 12/12. Final de ano é fraco mesmo. Como, cancelaram a festa de confraternização dos funcionários para reduzir gastos? Ih…….

Janeiro/09: Última atualização das convocações, 12/12. Enquanto não me chamam, o jeito é continuar a trabalhar aqui. Chefia nova, novos projetos… Não vou dar muito palpite. Afinal, daqui a pouco vou puxar o carro.

Fevereiro/09: Última atualização das convocações, 12/12. O Brasil só funciona após o Carnaval. Março será o mês, março será o mês!

Março/09: Última atualização das convocações, 12/12. Minha esposa marcou férias para abril, vou gastar as minhas nesse período também. Espero ser chamado antes, quem sabe? Viajo ou não viajo? E se o telegrama chegar enquanto estiver em Porto Seguro?

Abril/09: As férias foram maravilhosas! O duro é voltar a trabalhar no lugar que você não quer. Deixar para chamar faltando dois meses do final do concurso é maldade….

Maio/09: O quê, podem não convocar todo mundo que passou dentro das vagas? Entrar na Justiça? Antes ou depois do fim do prazo? Os honorários do advogado custam tudo isso mesmo? Como assim, CPI? Aaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh


Caiu a pauta (ainda bem)

março 24, 2009

Tirei folga nesta terça-feira e, entre as tarefas que me propus, iria atualizar o blog. Minha ideia era escrever um post sobre a angústia que passo atualmente, pois fui aprovado em um concurso (o maior da história da companhia), fiquei em segundo lugar para o meu cargo (entre mais de 10 mil inscritos) e, depois de 9 meses, ainda não fui chamado.

Como o prazo do concurso se encerra no final de junho, começou a bater o desespero em mim e nos outros aprovados não-convocados. Até e-mail recebi para articular uma ação na Justiça contra a empresa. Diante desse quadro, meu sentimento era de alguém que acertou na loteria, mas não consegue encontrar o bilhete premiado e vê o tempo para reclamar o prêmio se esgotando aos poucos.

Fui almoçar e, quando sentei no computador para escrever o texto, recebo a notícia: o presidente da empresa garante a convocação dos aprovados. De lambuja, ainda diz que pretende aumentar a porcentagem da participação dos lucros e resultados (PLR) destinada aos funcionários.

A pauta pode ter caído, mas foi por um bom motivo. E, já que as convocações estão garantidas, espero ser chamado só a partir do dia 03/04. Antes disso, quero curtir as praias de Porto Seguro com tranquilidade.


Momento família

março 20, 2009

Bate bola na USPMeu irmão é a única pessoa que me cobra para atualizar o blog, então resolvi homenageá-lo com uma imagem da nossa infância. Na foto ao lado, devia ter entre oito e 10 anos, época em que jogava bola entre os coqueiros da Cidade Universátira da USP.

É legal relembrar o tamanho do meu cabelo, a camisa do Brasil, quando éramos apenas tricampeões mundiais, e o Le Coq que meu irmão usava na ocasião.

Nos anos seguintes a esta foto, fomos muitas outras vezes à USP, também para jogar bola. Mas aí, em vez de ficar só neste momento família, participávamos dos históricos contras entre turma da Vilinha e turma do Alfredo. Bons tempos…


Eu acredito em Ronaldo

dezembro 11, 2008

ronaldo-fenomenoA contratação do atacante Ronaldo pelo Corinthians me surpreendeu. Muitos duvidam que ele se dará bem na equipe, mas eu acredito no seu sucesso.

Antes da Copa de 2002, participei de um bolão e, além dos resultados da competição, também deveria apostar em quem seria o artilheiro do torneio, o artilheiro do Brasil e o autor do primeiro gol brasileiro no campeonato. Pensei bem e não titubeei: cravei Ronaldo três vezes.

Não deu outra. Ele marcou o primeiro gol do Brasil, na estréia contra a Turquia, e terminou como artilheiro da Copa com 8 gols. Resultado: ganhei o bolão (apostara Brasil campeão), levando para casa aproximadamente R$ 200.

Podem falar que ele está velho, gordo, machucado, mas pior que o Finazzi, o nosso “ídolo” em 2007, ele não é. Mesmo meia-boca, o Fenômeno saberá aproveitar os passes do Douglas e fará uma ótima dupla de ataque com o Dentinho.

Ronaldo e ex-familiaVontade não vai faltar para o jogador. A convivência que ele teve com Milene Domingues, a corintianíssima Rainha das Embaixadas, deu a noção para o jogador da importância que o Timão tem. Não duvido nada que seu filho Ronald seja corintiano.

Com raça e talento, Ronaldo pode ser um grande jogador para o Corinthians. É uma honra ter no time para o qual torço um dos principais responsáveis pelo penta do Brasil (o outro grande responsável pela conquista, Rivaldo, já tivera esse privilégio entre 1993 e 1994). Quem sabe Ronaldinho Gaúcho chega no ano do centenário?


A poupança Bamerindus (!) continua numa boa

novembro 6, 2008

itaunibancoA fusão do Itaú com o Unibanco, anunciada na última segunda-feira, fez-me lembrar dos meus tempos de rapper. Uma das minhas músicas, composta em 1996, chamava-se “Office boy de Cristo”, e contava um pouco do meu cotidiano:

…De firma em firma, entregando correspondência
De banco então, tenho vasta experiência
Bradesco, Banespa, Itaú,
Nossa Caixa Nosso Banco, Unibanco, América do Sul

O mercado bancário, no entanto, mudou muito de lá para cá. O Santander adquiriu o Banespa em 2000, o banco estatal de São Paulo virou só Nossa Caixa (e já vai ser vendido para o Banco do Brasil), a marca Unibanco, pelo que entendi, sumirá do mapa em breve, e o América do Sul foi vendido para o Sudameris, que depois foi adquirido pelo Itaú Real (obrigado pela correção, Fabio).

Completo 28 anos nesta quinta-feira e passei refleti como as coisas não duram para sempre. No início dos anos 1990, a poupança Bamerindus estava numa boa (o banco foi vendido ao HSBC em 1997, em transação nebulosa). A partir disso, comecei a analisar minhas letras da época de MC Empada e vi que muito do que falei se perdeu atualmente. Confiram:

Você deve estar achando esquisito
Um moleque que fala de Jesus Cristo (Rap de Adoração, 1995)
– com 15 anos, normal se apresentar como um moleque. Hoje isso não seria possível

E o dinheiro, infelizmente, é o Deus do mundo
Garotos sonham em se tornar um Edmundo (Cuidado, 2002)
– na época ele já não estava lá grandes coisas. Hoje, então, qual menino gostaria de se tornar um Edmundo, atacante do Vasco que joga uma vez sim, quatro não?

Pois a mídia toda está contra o nosso lado
Ela mostra que ser cristão é uma bobagem
Enquanto isto passa a novela “A Viagem” (MC Empada, 1995)
– a novela “A Viagem” já passou até no Vale a Pena Ver de Novo. E, com a compra da Record pela Universal, é muito simplista dizer que a mídia toda está contra os cristãos evangélicos

Em dizer que eu só falo bobagem
Só porque eu tenho catorze anos na bagagem (MC Empada, 1995)
– hoje só tenho o dobro desta idade

Finalmente, MC Empada
Tem sua banda formada
Cel no teclado, Brack na bateria (Ministério, 1997)
– a banda não existe mais. Há pelo menos cinco anos que não nos apresentamos juntos

Estava eu, MC Empada
Na época das Olimpíadas (Nada Vai, 1996)
– a música até parece atual. Parece, pois estava me referindo às Olimpíadas de Atlanta.

E isso era ainda mais frustrante
Para uma carreira não muito triunfante
Nos esportes em geral
É, nunca fui “o animal” (Nada Vai, 1996)
– quem usa a expressão “animal” hoje em dia?

E aconteceu uma coisa animadora
Enviei uma fita minha pra uma gravadora (Nada Vai, 1996)
– qual músico envia “fita” para uma gravadora atualmente?

Podem parecer coisas inocentes
Da cabeça de um adolescente (Nada Vai, 1996)
– com 28 anos, não posso mais me considerar um adolescente, né?

Nas ruas de São Paulo, no bairro de Pinheiros
Trabalho como boy, não ganho muito dinheiro (Office boy de Cristo, 1996)
– continuo não ganhando muito. Mas creio que os motoboys praticamente extinguiram com os office boys


Por que voto em Marta Suplicy

outubro 24, 2008

Nas duas últimas eleições, questionei-me bastante sobre o modo como escolho meus candidatos. Apesar de não ser filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT), normalmente aperto o 13 na urna eletrônica.

A primeira crise de consciência ocorreu na reeleição de Lula. Como votar no PT novamente, após os “escândalos” do mensalão, do caseiro, do dólar na cueca, da Land Rover do Silvinho, das suspeitas de propinas em Santo André (caso Celso Daniel), da suposta máfia do lixo em Ribeirão Preto (Leão Leão), etc?

Diante de tantas suspeitas, pensava em votar na Heloísa Helena ou no Cristovam Buarque (dois ex-petistas, por sinal). Os anos FHC e os então 12 anos do PSDB em São Paulo eu conhecia bem, então não ia desperdiçar minha confiança nos tucanos. Mas daí, perguntei-me: por que não votar no Lula?

Sempre votei nele e no PT porque acreditava que os mais pobres seriam beneficiados (aliás, tem gente que critica o partido justamente por essa característica de se preocupar com o povão). E, nesse ponto, não me decepcionei. Houve uma grande redução da miséria, tendo como carro-chave o Bolsa Família, e a política econômica austera aumentou a confiança externa no país e combateu a inflação com eficácia, beneficiando quem mais precisa.

Esses fatos e minha experiência de dois anos como funcionário de uma Câmara Municipal, que me ensinou que a política é, antes de tudo, “a arte do possível”, fizeram com que eu votasse em Lula desde o primeiro turno em 2006. Para as eleições deste ano, minha escolha foi mais tranqüila.

O governo de Marta Suplicy de 2001 a 2004 privilegiou os mais pobres. Entre os seus programas, destacam-se a construção dos CEUs (todos em bairros periféricos) e a criação do Bilhete Único, que teve um impacto muito grande na população que depende do transporte público. Até o principal defeito do governo dela, a criação de taxas, punia os ricos, e não os necessitados. Eu, que morava em uma quitinete no Centro, era isento de IPTU e taxa do lixo.

Ao observar o resultado do primeiro turno da eleição em São Paulo, percebo que os mais pobres reconhecem o trabalho da ex-prefeita. Em Parelheiros, 69,9% dos votos foram para Marta. A votação expressiva se repetiu no Grajaú (68,4%), em Cidade Tiradentes (62%) e Guianases (56,9%). No Jardim Paulista, por exemplo, somente 11,1% do eleitorado apostou nela.

Podem argumentar que os pobres votam nela por “falta de informação”, mas será que as melhorias na periferia não contam? Quando fui a Parelheiros, em 2004, fiquei impressionado de haver um corredor de ônibus novinho, no mesmo molde daquele da Av. Rebouças. Ao ir de trem para Mogi das Cruzes, avistei um CEU no extremo leste da cidade, que parecia um oásis para aquela população.

Os mais ricos dependem menos de seus governantes. Seja Kassab ou Marta o vencedor da eleição, a vida de quem circula apenas onde tem rodízio de veículos não vai mudar muito. Para quem está esquecido, o governo do PT parece ser mais eficaz.

Infelizmente, muitas pessoas optam pelo candidato do DEM porque “ele deixou a cidade mais bonita”. Caso Kassab vença, como parece que vai ocorrer, torço para que ele se lembre dos mais necessitados.